skip to Main Content
A Nova Resolução Da Diretoria Colegiada (RDC) 222/2018 – Gerenciamento Dos Resíduos, Como Se Adaptar

A nova Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 222/2018 – gerenciamento dos resíduos, como se adaptar

Quem atua no segmento de saúde, certamente deve conhecer ou já estar familiarizado com o termo “manejo de resíduos do serviço de saúde”.

Caso não esteja, é essencial compreendê-lo, sobretudo agora em que temos a nova Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 222/2018.

É importante ter em mente que a resolução se aplica não somente à empreendimentos na área da saúde, como também  qualquer tipo de atividade de caráter público ou privado, filantrópico, civil ou militar, que  gerenciamento de possua o setor de saúde.

Compreenda melhor a nova resolução referente ao gerenciamento de resíduos e veja como é possível se adaptar para evitar problemas com a legislação que regulamenta as atividades relacionadas ao Gerenciamento de Resíduos.

Resolução foi publicada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Publicada em 2018 pela ANVISA- Agência Nacional de Vigilância Sanitária, A RDC 222:2018 é responsável por  regulamentar as chamadas “Boas Práticas de Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde”, substituindo a RDC 306, que foi publicada no ano de 2004.

Em síntese, a resolução se refere às práticas de armazenamento, coleta e transporte dos resíduos, todo o seu manejo e destinação  final  dos resíduos, levando em conta sempre o alinhamento adequado, de acordo com o grupo de risco.

De acordo com o novo regulamento divulgado no site da ANVISA (Fonte), estão definidos todos os serviços que se relacionem de alguma maneira, dando atenção à saúde humana ou animal, (com exceção de fontes radioativas seladas, que por sua vez, seguem normas da Comissão Nacional de Energia Nuclear – CNEN; e  às indústrias de produtos sob vigilância sanitária, que devem observar as condições específicas do seu licenciamento ambiental).

Quais tipos de empresas estão incluídas?

Empresas que prestam diversificados tipos de serviços devem ficar atentas à resolução.

Desde distribuidores de produtos farmacêuticos, funerárias, unidades móveis de atendimento na área de saúde, serviços de medicina legal,  clínicas/consultórios, até mesmo serviços de tatuagem, acupuntura, salões de estética, entre outros.

Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde – PGRSS

Um dos itens primordiais para que sua empresa se adapte a RDC 222:2018 é o  Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde – PGRSS.

Se trata de um documento responsável por indica e descrever  todas as medidas e  ações que se referem ao gerenciamento dos resíduos de serviços de Saúde.

Tais ações devem ser observadas , levando em conta suas características e riscos. Com os novos geradores de resíduos, o prazo para apresentação desse plano é de  cento e oitenta dias, contados a partir do início do projeto.

Com a nova resolução, definiu-se também que os resíduos que não ofereçam riscos biológicos, radiológicos ou até mesmo químicos, podem ser destinados para a reciclagem. Também podem ser encaminhados tanto para a recuperação, quanto para o reuso, ou ainda compostagem, logística reversa ou aproveitamento energético.

Para conferir a resolução na íntegra, acesse este link:

Que tal uma assessoria para elaborar as melhores estratégias para que sua empresa se adapte a nova resolução?

Estamos aqui para lhe atender da melhor forma, fale com a Tamarthi!

Ainda possui alguma dúvida? Que tal entrar em contato com a Tamarthi Assessoria Contábil?

Somos uma Contabilidade no Centro de São Paulo, especialistas no seu negócio para ajudá-lo.

Será um prazer conversar!

Acesse nosso Facebook: @tamarthiassessoria

Sucesso e até logo.

Assine nossa newsletter

Receba dicas valiosas para o seu negócio semanalmente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top